Início / Notícias / Saúde /  SP quer vacinar 762 mil meninas contra o HPV

 SP quer vacinar 762 mil meninas contra o HPV

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo inicia nesta segunda,  9, a primeira etapa da campanha de vacinação para proteger meninas entre 9 e 11 anos de idade contra o papilomavírus humano (HPV), vírus que pode causar câncer de colo do útero.
A vacina também será oferecida para a população indígena feminina com idades entre 9 e 13 anos, além de garotas e mulheres portadoras do vírus HIV, com faixa etária entre 9 e 26 anos.
A meta estadual é imunizar, até o dia 31 deste mês, 762,1 mil crianças com idades entre 9 e 13 anos (incluindo público indígena), que respondem por 80% das meninas nesta faixa etária no Estado e 6,6 mil garotas  e mulheres portadoras do vírus HIV com idade entre 9 e 26 anos.
Postos de saúde em todo o Estado, com horário de funcionamento das 8h às 17h, estarão abastecidos com a vacina contra HPV para aplicação da primeira dose.
A imunização também será feita nos Serviços de Atenção Especializada em HIV/Aids (SAE) que possuem sala de vacinação e nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIEs), mediante apresentação de algum documento, a exemplo do exame confirmatório ou encaminhamento médico.
Para as meninas entre 9 e 11 anos e para o público feminino indígena com idades entre 9 e 13 anos, o esquema vacinal compreende mais duas doses aplicadas num intervalo de seis meses (segunda) e de 60 meses (terceira) com relação à primeira tomada.
Já as garotas e mulheres portadoras do vírus HIV, com idade entre 9 e 26 anos, devem tomar mais duas doses num intervalo de 2 meses e de 6 meses com relação à primeira aplicação.
 “O papilomavírus humano é um vírus capaz de causar lesões de pele e mucosas e, quando não tratado corretamente pode evoluir para casos de câncer de útero. Já a eficácia da vacina a ser aplicada é superior a 95%. Ao alcançar uma elevada cobertura vacinal entre a população-alvo, observaremos, consequentemente, uma maior proteção contra a incidência do câncer de colo de útero”, afirma a médica Helena Sato, diretora de imunização da Secretaria.
Sobre o HPV
      
  O papilomavírus humano (HPV) é um vírus contagioso que pode ser transmitido com uma única exposição, por meio de contato direto com a pele ou mucosa infectada. Sua principal forma de transmissão pode ocorrer via relação sexual, mas também há contagio entre mãe e bebê durante a gravidez ou o parto, é a chamada transmissão vertical.
Inicialmente assintomática, a infecção por HPV pode evoluir para lesões de pele e mucosas, em alguns casos também ocasiona o surgimento de verrugas genitais. Quando não tratada corretamente, essas lesões podem evoluir para um quadro de câncer genital, como o câncer de colo de útero, cuja doença tem como principais sintomas dores, corrimento ou sangramento vaginal.
 

Fonte: Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo

Veja Também

Pesquisadores criam biossensor para detectar câncer de pâncreas

Pesquisadores do Instituto de Física de São Carlos, da Universidade de São Paulo (IFSC-USP), em …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *